Pensamento, m. - Acto ou efeito de pensar. Qualquer acto de inteligência. Fantasia. Ideia. Espírito. Uso da razão. Reflexões

quinta-feira, janeiro 19, 2017

MARKETINGMICON

                                                                                            Daqui.

A ASCENÇÃO E A QUEDA (I)

A civilização ocidental representa o momento onde a espécie humana conheceu a melhor qualidade de vida da sua história: nunca tantos viveram tanto e tão bem como hoje no Ocidente. Este triunfo civilizacional não foi alcançado do nada. Pelo contrário: foi fruto de todo um processo árduo de evolução da barbárie para um mundo onde se pode viver em paz, segurança e liberdade. Hoje, por regra, um ocidental, nem depende da sorte para sobreviver num mundo que não controla, nem vive num clima de conflito permanente onde a sua vida esteja de forma constante em risco. Pelo contrário: o homem ocidental pode viver a sua vida explorando os seus desejos, dando-se ao luxo de manifestar livremente as suas vontades e moldar a sua vida da forma como muito bem entende. Aliás, os grandes debates do Século XXI no Ocidente centram-se precisamente em todos os direitos, garantias e liberdades que se devem dar como adquiridas por parte de todos os cidadãos ocidentais por igual. E de tal forma triunfante a civilização ocidental é que muitos no seu seio advogam que esses direitos, liberdades e garantias devem ser oferecidos ao mundo inteiro, a todos por igual e sem excepção. Tal desiderato é absolutamente inédito na história universal.

Diz o ditado que quanto mais alto se sobe de mais alto se cai. A ser verdade o dito - e normalmente é - a queda da civilização ocidental será estrondosa e monumental, sobrando apenas a questão de saber quando tal fantástico evento ocorrerá - e de que forma. Tal como com a vida de cada um, as civilizações, aparecem, afirmam-se, vencem e conquistam apenas para, a partir de algum momento, declinarem, caírem e das duas uma: ou desaparecerem sem rasto num imenso oceano de esquecimento ou, no melhor cenário, verem os seus despojos finais acantonados atrás das vitrines dos museus daqueles que lhes sucederem. Assim foi com todos e, naturalmente, assim será connosco. Para muitos, os sinais da decadência estão por todo o lado e a queda já está a acontecer: decréscimo de poder no mundo, infertilidade generalizada, degeneração dos valores civilizacionais, etc., são os argumentos oferecidos. Para outros, a ascenção continua e a verdadeira civilização ainda não encontrou o seu apogeu: a revolução tecnológica contínua, o progresso material, a melhoria da qualidade de vida, os "avanços sociais", etc., são os contra-argumentos. Para os pessimistas, o pico civilizacional foi lá atrás; para os progressistas - optimistas, ela ainda estará por cumprir. Também é difícil encontrar concórdia sobre o que faz, ou fez, uma civilização: uns dirão que é o respeito pelas suas tradições, outros dirão que é a partilha de determinados ideais; alguns pensarão que se faz de exércitos, fronteiras e poder, outros dirão que é a cultura, a arte e o pensamento. Provavelmente, todos terão razão: a força de uma comunidade advém de um passado partilhado mas também de um futuro que se quer continuar a partilhar; igualmente, a pujança civilizacional faz-se de poder mas também da arte e engenho para o exercer - no mínimo dentro da sua comunidade. Para isso, fundamental será a única coisa que é comum a todos esses factores: a necessidade imperiosa que uma civilização tem de oferecer um certo sentido de pertença e identidade, uma perspectiva da vida e do mundo, uma narrativa se preferirem, que construída em conjunto, partilhada pela maioria, ofereça a força aos exércitos, a visão às artes e o rasgo e entusiasmo na busca pelo aperfeiçoamento constante da vida comum em nome de determinados valores partilhados.

Resumindo: uma civilização é mais do que um modo de vida, é uma comunidade - um viver em comum, com os outros que, de alguma forma, são como eu. Por esta perspectiva, o declínio civilizacional pode, então, ser diagnosticado quando este viver comum se desagrega, quer num lento processo de deterioração das bases civilizacionais, quer num processo de divisão através da emergência de um conjunto de blocos que se tornam independentes, antagónicos mesmo, entre si: quando esses blocos são tão heterogéneos que não conseguem sequer encontrar plataformas de entendimento que lhes permita continuar a conviver de forma pacífica e próspera, e quando o ódio de uns pelos outros quebra os últimos laços de fraternidade que obrigavam à necessidade última do compromisso social, nesse momento, fruto dessa fraqueza, dessa divisão, o todo perde a força de se impor no mundo e, naturalmente, mais cedo do que tarde, acaba por soçobrar perante aqueles que se querem impor sobre si. Concomitantemente, quer por cisão, quer por desistência, a queda será o momento último em que o declínio se efectiva em absoluto numa realidade onde aqueles que partilham os valores da civilização moribunda se vêem por alguma razão impedidos de os colocar em prática: o seu modo de vida acabou.

(Continua) 

quarta-feira, janeiro 18, 2017

BACK ON THE HORSE

                                                                               Daqui.

UM CÓDIGO POLITICAMENTE CORRECTO, JÁ!

Como parece estar na moda identificar discriminações, eu, não querendo ficar atrás, indignei-me hoje quando percebi que existe uma opressão imensa sobre os militantes da esquerda democrática levada a cabo aquando da conspiração fascista da direita reaccionária que levou à instauração do código da estrada: é inadmissível numa sociedade igualitária, fraterna e justa que aos automóveis que vêm da direita lhes seja dada sempre prioridade. Não é justo que alguém apenas por vir da direita tenha prioridade sobre quem vem da esquerda. Por que razão há-de o automobilista da direita chegar a horas e o da esquerda não? Exige-se justiça JÁ! Em primeiro lugar, proponho um sinal STOP em cada esquina de cada cruzamento. Aí, os automobilistas deverão debater de forma esclarecida, seguida de necessária votação, sobre quem deverá ter as prioridades; em segundo lugar, proponho uma comissão de inquérito, seguida da necessária convenção popular, para elaborar um guião para a justiça rodoviária que implemente a paridade entre as prioridades da esquerda e da direita, de forma alternada, regulamentada e digna. Em cruzamentos onde tal paridade não possa ser atingida deve ser consultado o ministério das obras públicas para proceder às necessárias alterações físicas dos locais injustos. Após esta importante reforma prometo que os sinais de STOP serão removidos, por completo, pois o trânsito fluirá sem reservas, entraves ou problemas. Deste modo, justo e progressista, alcança-se, não apenas a necessária superação de uma injustiça indigna mas, também, estimula-se o investimento público, em particular o sector das construções públicas, fundamental ao progresso rumo ao futuro.

terça-feira, janeiro 17, 2017

IMPERATIVO CATEGORICAMENTE CORRECTO

O imperativo categórico Kantiano ao longo dos tempos:

1785 - "Age apenas segundo uma máxima tal que possas ao mesmo tempo querer que ela se torne lei universal".

2000 - "Age apenas segundo uma máxima tal que possas ao mesmo tempo imaginar que estás a ser permanentemente observado por dois milhões de pessoas através da televisão".

2010 - "Age apenas segundo uma mínima tal que te permita não ser vilipendiado no espaço público por múltiplas minorias que controlam mediaticamente a definição do que é moralmente aceitável".

sábado, janeiro 14, 2017

MOTIONLESS

                                                                    Daqui.

sexta-feira, janeiro 13, 2017

BREVES NOTAS SOBRE A LIBERDADE: O Neo-Esclavagismo Racionalista

Se, por um lado, é verdade que o espírito do nosso tempo se faz de uma crença inabalável nos méritos do Homem, por outro lado, esse imenso optimismo humanista, ao alicerçar-se numa das maiores ilusões intelectuais da nossa História, é bem capaz de encerrar dentro de si próprio as sementes da nossa própria destruição. Que ilusão é essa? A ideia completamente fantasiosa de que superámos, ou poderemos superar, a violência da nossa condição humana - aquela que quase destruiu a Europa e o mundo ainda há pouco mais de setenta anos - e que continuamos a subir uma escada evolutiva infinita, sempre a progredir, sempre a melhorar, rumo a um ideal de progresso e florescimento humano que, mesmo que seja impossível de atingir na sua plenitude, se encontra no topo dessa mesma escada. De acordo com essa ideia, hoje somos melhores, mais inteligentes e, acima de tudo, mais evoluídos do que aqueles outros humanos que nos antecederam, seres perdidos na História e na barbárie hoje definitivamente ultrapassada. O rumo, pensa-se - ou talvez fosse melhor dizer: intui-se -, é por definição sorridente: se a evolução nos trouxe até aqui, e o aqui é infinitamente melhor do que o que já fomos no passado, então o futuro só pode trazer mais evolução, mais progresso e, consequentemente, mais desenvolvimentos, avanços e melhorias. Sonham-se com os avanços tecnológicos do amanhã e imaginam-se os mundos quase perfeitos que os nosso filhos e, quiçá, fruto dos descobrimentos medicinais, nós também ainda teremos o prazer de desfrutar nas décadas e séculos que estão por vir.
Esta ilusão progressista, uma mera promessa, serve de isco para uma ideia anterior que a sustenta: a noção que, de algum modo, há um destino, um telos, uma finalidade, para o universo e, consequentemente, para os homens também. É nesse telos que se descobre a razão, e o sentido, do mundo e, por conseguinte, da existência humana. Antes do advento da modernidade secular em que vivemos, esse porvir era oferecido pela religião, e era conhecido tanto pela fé como pela razão; hoje, com o triunfo do materialismo, sobra-nos a razão. Muita desta crença nas nossas próprias valias humanas, tal como na nossa capacidade de controlar o mundo, deriva de olharmos para nós próprios através daquilo que nos distingue dos demais: a nossa racionalidade. E, cheios de convicção nos méritos da nossa razão, assumimos que essa razão tem um carácter divino: aquilo que ela estabelece, tal como a antiga palavra de Deus, é aquilo que é verdade. Consequentemente, algo que é racional, por definição, é tido como algo que é verdadeiro (mesmo no nosso linguarejar, "ter razão" implica afirmar algo que é verdade e que deve ser aceite como tal por todos); e como uma coisa que é verdadeira não pode ser falsa, também uma coisa que é racional não o pode ser. E assim chegamos à noção de que dois postulados racionalmente válidos não podem ser contraditórios pois, como uma verdade não pode entrar em conflito com outra verdade, se dois postulados são igualmente racionais, e por isso verdadeiros, então terão que ser compatíveis entre si. Esta compatibilidade, ou melhor será dizer: a busca por essa compatibilidade, norteia muito do nosso tempo: para cada conflito, para cada percalço, para cada questão, recorrendo à nossa racionalidade, a custo, lá encontraremos a solução. E de solução em solução evoluímos, e dessa forma, porque convencidos do ritmo seguro e infalível da nossa razão, antevemos cheios de certeza que o futuro que os nossos passos buscam é melhor e, acima de tudo, mais verdadeiro. É dessa verdade que achamos ir descobrindo que vem o optimismo e a crença no progresso; e é dessa verdade racional que imaginamos dentro de nós que vem o carácter proto-divino que nos arrogamos de possuir. Assim, o absoluto, eterno e divino, para o homem contemporâneo herdeiro de Kant, é o racional que temos dentro de nós. Nietzsche exclamou pelo morte de Deus mas, na verdade, na boa tradição Tomista, Ele apenas foi substituído por uma outra crença, uma crença na harmonia racional do universo.
No entanto, se é verdade que a ideia de não contradição entre duas hipóteses igualmente racionais é uma noção válida no campo das ciências abstractas e matemáticas, também não será menos verdade que no campo das vidas dos homens, das suas morais e dos seus dilemas, representa uma noção que não poderia ser mais errada. E a vida dos homens, ao contrário dos robôs, não se faz apenas de matemática. No mundo moral, o valores colidem. No mundo dos homens, postulados igualmente válidos podem ser incompatíveis ou concorrentes. É tão racionalmente válido eu desejar viver numa sociedade segura como numa sociedade livre - mas apostar numa delas implica invariavelmente prejudicar a outra; eu posso querer ser corajoso - mas a prudência não deixa de ser fundamental a uma vida bem vivida; eu posso sonhar com a justiça a presidir à organização social da minha comunidade - mas a solidariedade e a clemência também são valores importantes numa comunidade. No final, implica perceber-se que se os valores colidem entre si mais do que descobrir qual a receita certa, ou verdadeira, para o dilema social, a verdadeira questão é escolher qual a combinação de valores que desejamos para as nossas vidas.
E a diferença é abissal.
Isto porque acreditar-se numa solução pressupõe sempre que as coisas são de alguma forma predeterminadas: uma solução que é a certa, e por isso verdadeira, será uma solução que terá que estar de acordo com um padrão universal de verdade, padrão esse que nos antecede a nós humanos que apenas nos pretendemos aproximar dele. A verdade é eterna, imutável e divina, a verdade é verdade independentemente de nós. Mas, mais do que isso, a verdade é apenas uma. E deste modo chegamos à implicação determinista, a grande consequência não falada dos modelos racionalistas. Sem o arbítrio de Deus, onde apenas a razão é verdadeira e universal, onde o que é verdadeiro e universal antecede a consciência humana, e onde a solução que pretendemos para o dilema moral é racional, então a solução que se persegue será verdadeira, universal e antecede a consciência humana.. Assim sendo, a solução já existirá antes de ser conhecida pelos humanos. Nada se cria, apenas se descobre. Nada se decide por nós próprios, apenas se revela o que devemos fazer. Em suma: não somos livres para escolher, apenas para perceber o que é suposto que nós façamos. É a morte da liberdade.
A alternativa é a do livre-arbítrio: assumir que escolher implica criar. Escolher verdadeiramente sem soluções pré-definidas como boas ou más implica assumir-se que o mundo é nosso para criar por entre as opções que temos pela frente - e não limitados pelas certezas de uns quantos supostamente iluminados. E com essa profunda liberdade vem a correspondente responsabilidade. Já o determinismo racionalista retira o jugo da responsabilidade do pescoço humano e coloca-o num pseudo-critério racional que, sendo universal, sendo absoluto e infalível, assume a responsabilidade da escolha, escolha essa que deixa de ser humana para passar a ser cósmica, universal, racional. Determinismo implica fatalismo, destino e fado. Já a liberdade implica criar, fazer e sonhar.
O paradoxo é que o determinismo, ao vender a ilusão de solução universal, sendo esta falsa, acaba por aprisionar-nos a um rumo que, não sendo necessariamente o melhor, condiciona-nos aos caprichos daqueles que nos garantem ter descoberto as soluções para os dilemas dos homens. São os novos messias: os heróis racionalistas que definem o que é racional, ou bom, o que se deve fazer, ou não, sempre cheios de certezas, sempre cheios de soluções. Ponha-se um actor, de bata branca, caderno de notas na mão, a afirmar que os últimos estudos garantem isto ou aquilo e o sucesso é garantido, seja esse sucesso vender detergente, carros, pessoas ou ideias. Já o caminho da verdadeira liberdade, a de pensar, escolher e criar, essa apenas oferece a vertigem do abismo: um universo sem sentido oferecido a priori e que, por isso mesmo, assusta. Muito. Mas também abre a vida à infinitude de destinos que as nossas escolhas podem criar. 
Assim, concluindo, por um lado, temos o falso conforto temporário (porque as "soluções" esbarram sempre na próxima esquina) que a ilusão de uma certeza sobre o sentido para a vida nos oferece - e a sensação de controlo que dela deriva, tanto a individual como a comunitária; por outro lado, temos a vertigem, e a responsabilidade, de termos os nossos próprios destinos, quaisquer que sejam, nas nossas mãos. Do primeiro, deriva o centralismo, o controlo, a conformidade, o monismo; do segundo, a espontaneidade, a autonomia, a criatividade, a diversidade. Entre um e outro, como sempre, se faz a diferença - enorme! - entre escravos e homens-livres. Mesmo que a esse grilho mental nos dias de hoje se dê o nome de razão.

TEACHING MATH

                                                 (Via Eduardo Freitas no FB)

terça-feira, dezembro 13, 2016

FILHOS PRÓDIGOS

Nos tempos de hoje vive-se a noção de que evoluímos positivamente: fisicamente, de mamíferos menos evoluídos; intelectualmente, de antecessores menos inteligentes; socialmente, de comunidades menos avançadas. Aliás, a ideia é precisamente a de "avanço": progresso, desenvolvimento, evolução, tudo a aumentar de forma positiva do passado para o presente - e a promessa de que assim pode continuar rumo a um futuro que se imagina como virtuoso e cheio de maravilhas salvíficas. No entanto, esta ideia é uma ideia muito recente, filha bastarda do iluminismo e do racionalismo científico que lhe sucedeu. Antes disto tudo, e durante a maior parte da existência humana, a representação do sentido da História era a oposta, a de decadência: o passado é que era idílico e paradisíaco e a existência humana representava uma queda desse Olimpo divino, no caso Grego, ou do Paraíso de Adão e Eva, no caso bíblico. A queda na imperfeição humana separava-nos da perfeição divina e condenava-nos a aceitar a tragédia como parte da vida. Nos dias de hoje a intuição é a oposta: todos os problemas terão uma solução, o optimismo garante a salvação (a derrota é ser pessimista), não há limites para o futuro (científicos, físicos ou morais), a vida eterna pode ser aqui e agora, haja tempo e saúde para lá chegar. No entanto, no seu âmago, a realidade da vida humana é muito mais coerente com a visão antiga do que com a moderna: tornamo-nos seres conscientes durante o paraíso que é a infância, na terra dos sonhos e da magia, isto apenas para dela inesperadamente cairmos quando tomamos noção dos paradoxos, das limitações e das tragédias que compõem a vida adulta. Aliás, a maçã, símbolo da fertilidade, que a serpente, símbolo fálico, oferece a Eva, e que esta prova, é a perfeita representação para a inevitabilidade da puberdade e a obrigação de com ela perder-se o paraíso que é a infância. A adolescência é a queda; a vida adulta é o embate no chão, na base de tudo, ou seja, no tomar noção da condição humana: a morte dos próximos, as perdas múltiplas, a consciência da finitude, etc., etc. Ser adulto implica lidar com o facto de sermos aquilo que somos. Ser realista, portanto. Mas nos dias de hoje em que o regresso ao paraíso perdido na infância está sempre prometido no futuro sempre presente ao virar da próxima esquina não há razões para se ter que crescer: para quê aceitar o que nos magoa se no futuro aquilo que nos magoa pode ser simplesmente mudado, eliminado, ou seja: resolvido? E dessa forma adia-se o amadurecimento. E prolonga-se a infância. E pune-se o realismo: para quê falar dos perigos e das obrigações do mundo dos adultos quando tudo à nossa volta nos ensina a viver de, e para os, sonhos? A abundância que a revolução industrial, a grande filha do Iluminismo, nos trouxe permitiu banquetear-nos na indolência, na arrogância e no luxo de não vermos o mundo tal como ele é mas tal como nós gostaríamos que ele fosse. E, tal como o filho pródigo, nesse luxo, nessa arrogância, e nessa indolência, desbaratamos a abundância material, moral e civilizacional que nos foi legada. Resta saber se haverá tempo para a redenção.

domingo, novembro 06, 2016

LINHAS DIREITAS T2

Entretanto, o Linhas Direitas está de regresso para a sua segunda temporada. Teve direito a teaser e já vai no terceiro episódio.

TO DIVIDE

"To divide (and not merely to distinguish as facets or aspects of one substance) body and soul, science and craft or art, the individual and society, description and evaluation; philosophical, scientific and historical judgement, empirical and metaphysical statements, as if any of these could be independent of one another, is for Herder false, superficial and misleading. (...) One upon a time men 'were all things: poets, philosophers, land surveyors, legislators, musicians, warriors'. In those days there was unity of theory and practice, of man and citizen, a unity that the division of labour destroyed; after that men became 'half thinkers and half feelers'. There is, [Herder] remarks, something amiss about moralists who do not act; epic poets who are unheroic, orators who are not statesmen, and aestheticians who cannot create anything. Once doctrines are accepted uncritically - as dogmatic, unaltered, eternal truths - they become dead formulae, or else their meaning is fearfully distorted. Such ossifications and decay lead to nonsense in thought and monstrous behaviour in practice".

Isaiah Berlin, 'Herder and the Enlightment', in: Isaiah Berlin, The Proper Study of Mankind, Farrar, Straus & Giroux, 2000, pp. 419-20

DOOMED TO CHOOSE

"What is here entailed is that the highest ends for which men have rightly striven and sometimes died are strictly incompatible with one another. Even if it were possible to revive the glories of the past, as those... pre-historicist thinkers who called for the return to the heroic virtues of Greece or Rome, we could not revive and unite them all. If we chose to emulate the Greeks, we cannot also emulate the Hebrews; if we model ourselves on the Chinese..., we cannot also be the Florentines of the Renaissance, or the innocent, serene, hospitable savages of the eighteen-century imagination. Even if, per impossible, we could chose among these ideals, which should we select? Since there is no common standard in terms of which to grade them, there can be no final solution to the problem of what men as such should aim at. The proposition that this question can, at last in principle, be answered correctly and finally, which few had seriously doubted since Plato had taken it for granted, is undermined. (...) But if this is so, then the notion of the perfect civilization in which the ideal human being realizes his full potentialities is patently absurd: not merely difficult to formulate, or impossible to realize in practice, but incoherent and unintelligible. This is perhaps the sharpest blow ever delivered against the classical philosophy of the West, to which the notion of perfection - the possibility, at least in principle, of universal, timeless solutions of problems of value - is essential".

Isaiah Berlin, 'Herder and the Enlightment', in: Isaiah Berlin, The Proper Study of Mankind, Farrar, Straus & Giroux, 2000, pp. 430-1

terça-feira, novembro 01, 2016

RESPECTING GUNNAR

                                                                          Daqui.

ON THE IMPORTANCE OF POLITICAL CULTURE

[Before the 1905 revolution] The Russian peasant household [dvor] was organized on a simple authoritarian model, under which full authority over the members and their belongings was entrusted to one person, known as bol'shak or khoziain. This family patriarch was usually the father...: he assigned farm and household duties, he disposed of propriety, he adjudicated domestic disputes,, and he represented the household in its dealings with the outside world. Customary peasant law endowed him with unquestioned authority over his dvor: in many ways, he was heir to the authority of the serf owner. Since the Emancipation Edict of 1861, the bol'shak was also authorized by the government to turn over members of his household to administrative organs for punishment. He was the paterfamilias in the most archaic sense of the word, a replica in miniature of the Tsar.
(...) The household allowed no room for individuality: it was a collective which submerged the individual in the group. Second, given that the will of the bol'shak was absolute and his orders binding, life in the dvor accustomed the peasant to authoritarian government and the absence of norms (laws) to regulate personal relations. Third, the household made no allowence for private property: all belongings were held in common. Male members acquired outright ownership of the household's movable property only at its dissolution, at which time it once again turned into the collective property of the new household. Finally, there was no continuity between households, and consequently neither pride in ancestry nor family status in the village, such as characterized Western European and Japanese rural societies. In sum, the Great Russian peasant, living in his natural environment, had no opportunity to acquire a sense of individual identity, respect for law and property, or social status in the village - qualities indispensable for the evolution of more advanced forms of political and economic organization".

Richard Pipes, The Russian Revolution 1899-1919, Fontana Press, 1992, pp. 93-5

sábado, outubro 22, 2016

ON PRIVATE PROPERTY

"Russia's absolutism showed particular qualities that distinguished it from that of the Bourbon's, Stuart's, or Hohenzollern's. European travellers to Muscovy in the sixteenth and seventeenth centuries, when ancien régime absolutism stood at its zenith, were impressed by the differences between what they were accustomed to at home and what they saw in Russia. The peculiar features of Russian absolutism in its early form, which lasted from the fourteenth until late eighteenth century, were marked by the virtual absence  of the institution of private property, which in the West confronted royal power with effective limits to its authority. In Russia, the very concept of property (in the Roman sense of dominion over objects) was unknown until introduced in the second half of the eighteenth century by the German-born Catherine II. Muscovite Russia had been run like a private estate, its inhabitants and territories, with everything they contained, being treated as property of the Crown. (...)
The Great Russian peasant, with centuries of serfdom in his bones, not only did not crave for civil and political rights, but... held such notions in contempt. Government had to be willful and strong - that is, able to exact unquestioned obedience. A limited government, subject to external restraints and tolerant to criticism, seemed to him a contradiction in terms. To the officials charged with administering the country and familiar with these peasant attitudes, a Western-type constitutional order spelled one thing only: anarchy. The peasants would interpret it to mean the release from al of obligations to the state which they fulfilled only because they had no choice: no more taxes, no more recruits, and, above all, no more tolerance of private property in land".

Richard Pipes, The Russian Revolution 1899-1919, Fontana Press, 1992, pp.54-56

sábado, outubro 15, 2016

STRANGERS TO THE FATE OF ALL OF THE REST

"The first thing that strikes the observation is an innumerable multitude of men, all equal and alike, incessantly endeavouring to procure the petty and paltry pleasures with which they glut their lives. Each of them, living apart, is a stranger to the fate of all of the rest; his children and his private friends constitute to him the whole of mankind. As for the rest of his follow citizens, he is close to them, but does not see them; he touches them, but he does not feel them; he exists only in himself and for himself alone; and if his kindred still remain to him, he may be said at any rate to have lost his country.
Above this race of men stands an immense and tutelary power, which takes upon itself alone to secure their gratifications and to watch their fate. That power is absolute, minute, regular, provident, and mild. It would be like the authority of a parent if, like that authority, its object was to prepare men for manhood; but it seeks, on the contrary, to keep them in perpetual childhood: it is well content that the people should rejoice, provided that they think of nothing but rejoicing. For their happiness such a government willingly labours, but it chooses to be the sole agent and the only arbiter of that happiness; it provides for their security, foresees and supplies their necessities, facilitates their pleasures, manages their principal concerns, directs their industry, regulates the descent of property, and subdivides their inheritances: what remains, but to spare them all the care of thinking and the trouble of living?
Thus it every day renders the exercise of the free agency of man less useful and less frequent; it circumscribes the will within a narrower range and gradually robs a man of all of the uses of himself. The principle of equality has prepared man for these things; it has predisposed men to endure them and often look on them as benefits.
After having thus successively taken each member of the community in its powerful grasp and fashioned him at will, the supreme power then extends its arm over the whole community. It covers the surface of society with a network of small complicated rules, minute and uniform, through which the most original minds and the most energetic characters cannot penetrate, to rise above the crowd. The will of man is not shattered, but softened, bent, and restrained form acting. Such a power does not destroy, but it prevents existence; it does not tyrannise, but it compresses, enervates, extinguishes, and stupefies a people, till each nation is reduced to nothing better than a flock of timid and industrous animals, of which the government is the shepherd".

Alexis de Tocqueville, Democracy in America, II, 4, VI (1835)

domingo, setembro 18, 2016

A AFIADORA DE FACAS

Quando me cruzo com as afirmações da deputada Mortágua logo Berlin me vem à cabeça: "single minded monists, ruthless fanatics, men possessed by an all-embracing coherent vision do not know the doubts and agonies of those who cannot wholly blind themselves to reality". Mesmo sem compreender nada do mundo, ou das pessoas, a senhora acha-se no direito de o vergar, a ele e a nós, à sua imaginada superior vontade. E do seu feliz desígnio, custe o que custar, nada resultará além da miséria daqueles os quais a senhora em seu nome se arroga de falar. Oiçamos a música do amolador: eles estão a afiar as facas. E o porco, mesmo que vegetariano, somos nós.

TAXTOON

 Via Luís Paixão Martins, no Facebook.

sábado, setembro 17, 2016

AS LIÇÕES DE VIDA DE FRASIER CRANE



Fazem hoje precisamente vinte e três anos que estreou na televisão norte-americana o primeiro episódio da série Frasier. Com um elenco de luxo composto por Kelsey Grammer, David Hyde Pierce, John Mahoney, Jane Leaves e Peri Gilpin, Frasier representa o mais bem sucedido spin off da história da televisão. Narrando as aventuras e desventuras de Frasier Crane após a sua saída de Boston e o decorrente abandono do bar Cheers, as onze temporadas de Frasier representam, por ventura apenas acompanhadas de Seinfeld, a época de ouro da sitcom americana. Naturalmente que séries como o já referido Cheers, ou Family Ties, ou ainda o revolucionário All in The Family com Archie Bunker, fazem todas parte do imaginário infantil de quem, como eu, nasceu e cresceu nos anos 70 e 80 do defunto Século XX. No entanto, Frasier, para mim, encontra-se uns quantos andares acima de todos os outros. Primeiro, e mais obviamente, pelos actores e enredos. Frasier apresenta um elenco de categoria inigualável: desde Grammer que, com a sua formação em Julliard e um percurso nascido no teatro regional e desaguado na Broadway, tinha explodido no panorama televisivo, transformando o irrelevante Frasier Crane numa das mais prezadas personagens do super sucesso da década de 80: Cheers; passando por David Hyde Piarce com seu imbatível talento para a comédia física repescado de uma obscura comédia (The Powers That Be, 1992-3) onde o neurótico Niles já existia ainda sem ninguém saber, não esquecendo John Mahoney, um late bloomer que apenas começou a actuar aos quarenta pela mão de John Malkovic, e terminando na componente feminina onde Jane Leeves, apesar do seu não muito bem conseguido sotaque de Manchester apenas evidente para quem conheça o sotaque de Manchester, sempre conseguiu encher o ecrã, em especial quando, de forma sempre inocente, se mantinha a leste do interesse latente, intrusivo, por vezes quase perverso, do tímido e altamente desajustado Niles, transformando os dois naquele que terá sido um dos mais bem conseguidos interesses românticos da TV. Finalmente, Peri Gilpin no papel de uma mulher independente propensa ao sexo ocasional mas longe, muito longe, do cinismo e superficialidade relacional próprios do sexo citadino do Século XXI, todos compõem um ramalhete de excelência que foi capaz de transportar para a televisão a finesse do teatro que, doze anos depois de terminado, ainda perdura como o paradigma da boa representação televisiva. Uma referência ainda para a qualidade dos actores convidados: desde a sempre fascinante Bebe Neuwirth no papel de ex-mulher de Frasier até aos outros trabalhadores da radio KACL (os actores que, por exemplo, dão vida a Bulldog Briscoe ou Gil Chesterton são sempre formidáveis), terminando naqueles que aparecem apenas por um ou dois episódios, uma participação em Frasier tornou-se num carimbo de qualidade interpretativa e uma medalha no peito de qualquer actor. Da mesma forma, o grupo de escritores, apesar de algumas mudanças entre as temporadas 8 e 10 felizmente corrigidas na brilhante temporada final, conseguiu manter o nível do enredo sempre entre o alto gabarito e o nada abaixo de genial: não conheço outra séria de televisão que consiga fazer uma piada mencionando o racionalismo panteísta de Espinosa ou um gewurztraminer de colheita tardia. Aliás, uma das características que separa Frasier de todos os outros é precisamente a profundidade intelectual: se, por um lado, é verdade que é um certo pedantismo cultural que preside à recriação do mundo de elite onde Frasier e Niles, normalmente sem sucesso, bem se tentam integrar, por outro lado, não deixa também de ser verdade que é a tensão entre o amor à excelência, ao belo, e ao transcendente da vida com a inescapável boçalidade humana que, agarrada ao ego, se banqueteia com o superficial, a imagem e com o que o outro pensa - no fundo a tensão entre o arauto da experiência do homus socialis e o abismo da mesquinhez da red carpet - que é responsável pelo brilhantismo de Frasier. Naturalmente, para escrever tamanha farsa social é fundamental que se tenha um profundo conhecimento das realidades que se procura retratar; e os autores de Frasier claramente têm: desde a música clássica, à ópera, ao vinho (a competição entre Frasier e Niles pelo título de Corkmaster será um pináculo da comédia televisiva), ao fine dining (quem nunca quis ir visitar o Le Cigare Volant?), passando pela pintura, literatura ou alta-costura, por todas as artes a série nos passeia oferecendo, por um lado, para quem as aprecia, um bónus cultural  que mais nenhuma série faz, quer, por outro lado, criando uma sátira social com uma profundidade inigualável: hoje, Frasier (ainda) será uma das melhores comédias da televisão; daqui por duzentos ou trezentos anos será uma enciclopédia que configurará um telescópio (mesmo que sem ser da Universidade de Cornell) directamente apontado sobre a sociedade americana (e não só) do final do Século XX. A esta intemporalidade ajuda a opção deliberada dos autores de evitarem as referências fáceis ao soundbyte pop do momento: nomes de pessoas famosas, eventos reais da altura ou caricaturas do que passava na TV, tudo isso é inexistente em Frasier. A série torna-se assim, tal como uma enorme peça de teatro clássico, numa sintetização do fundamental deixando de lado todo o ruído, ou lixo, com que todos temos que lidar no dia a dia. Uma espécie de transcendência ocorre aqui: identificamo-nos com a vida representada apesar de, e aqui reside o verdadeiro pretenciosismo da série, nos fazer olhar para cima, para a versão ideal, limpa, quase perfeita das interacções ridículas que as altamente imperfeitas personagens levam a cabo. No entanto, essas personagens são constantemente guiadas pelos mais nobres sentimentos e pelas mais belas virtudes. E aqui encontramos a verdadeira genialidade cómica de Frasier: na farsa e no ridículo que as melhores versões possíveis de nós próprios continuam a configurar. Neste sentido, Frasier é profundamente humano. E consolador: que resta fazer aquando da constatação do ridículo que somos para além de rirmos? Finalmente, e não menos importante, apesar de talvez ausente (tal como muitas das referências mais elevadas) para os espectadores mais jovens, em Frasier, encontro muitas das importantes lições de vida que são fundamentais a qualquer humano adulto. Na farsa social, por exemplo, torna-se evidente a infelicidade que uma vida orientada para a imagem e o superficial que os outros vêem em nós pode causar, apesar de o canto das sereias ser sempre apelativo aos egos de cada um. Mesmo que essa infelicidade seja terminar num beco traseiro no meio de abelhas e caixotes do lixo, e o canto das sereias fosse a importância de conseguir entrar na próxima - progressivamente mais restrita (e cara) - sala de um centro de spa, também aí nos identificamos com a caricaturada pulsão que motiva os comportamentos das personagens - e nos comiseramos com o triste fim que tal pulsão encontrou.  E se Frasier Crane se deixa seduzir pela fama, ou Niles pela ostentação, a tempo lá estará o enredo a fazê-los, mesmo contrariados, arrepiar caminho - ou, pelo menos, a falhar estrondosamente. E assim, na verdade, Frasier e Niles estão lá a sacrificar-se por nós: onde eles falham, nós, sem sair do sofá nem pagarmos os embaraços a que eles se sujeitam, podemos aprender que aquele não é o caminho. Outra lição será a importância da família que transparece sempre naquele apartamento: confortável (ou não configurasse ele em primeiríssimo plano uma réplica exacta do sofá que Coco Chanel tinha no seu atelier de Paris) mas, mais do que qualquer coisa, cheio de vida, de ligação emocional, de partilha, quer do bom quer do mau; uma casa cheia, e por isso bem capaz de oferecer companhia à solidão que tantas vezes sentimos. Aliás, tanto assim é não fosse Frasier toda uma série acerca da redenção da relação entre pai e filho, por um lado, e entre irmãos por outro. Mas, em última instância, para mim, a grande lição de Frasier encontra-se na falência última do perfeccionismo em que o nosso mundo é tão pródigo: às ambições mais que perfeitas de Frasier e Niles, ou aos interesses amorosos de Frasier, ou ainda à obsessão de suposto auto-conhecimento através da psiquiatria que ambos exercem, sempre a imperfeição do mundo se lhes coloca no caminho para lhes estragar os planos. A verdade é que num mundo imperfeito, cheio de falhas, - adulto, portanto - não há lugar para sonhos perfeitos. E é esse sonho perfeccionista infantil que impede sempre a cada momento a felicidade de Frasier: onde de outra forma ele poderia encontrar a felicidade, termina sempre a concentrar-se na falha que lhe lembra que o mundo não é perfeito - o que para um perfeccionista equivale a dizer que não é bom, harmónico ou belo. No entanto, a vida, sendo profundamente imperfeita, não deixa de ser a única coisa de jeito, ou de valor, que temos. Frasier transforma a incapacidade de lidar com a imperfeição em comédia e com isso relembra, ou ensina-nos, a mais bela das lições: na impossibilidade do perfeito, resta-nos amar a imperfeição - e rirmos com ela - sem nunca desistirmos de tentar fazer o melhor que conseguirmos com aquilo que temos. Frasier Crane nunca desistiu e quando, no último episódio, nos deixa, rumo ao desconhecido, com o poema Ulysses de Tennyson, é impossível não sentirmos nós também, tal como a sua família, a dor da separação. É por essa razão que a primeira coisa que faço quando vejo esse último, belo apesar de, porque não queremos nunca que o fim de algo inspirador chegue, altamente indesejável episódio, é voltar a ver o episódio-piloto, o tal que faz vinte e três anos hoje: é que se é verdade que Frasier nos ajuda a resolver e largar o imaginário infantil de vidas perfeitas, não deixa de ser verdade que ele próprio pode continuar a configurar aquele último refúgio de imaginária perfeição que a maioridade da minha idade ainda me permite usufruir.

sábado, maio 07, 2016

PATERNALISM

"In the world today individual stupidity and wickedness are forgiven more easily than failure to be identified with a recognised party or attitude, to achieve an approved political or economic or intellectual status. In earlier periods, when more than one authority rules human life, a man might escape the pressure of the State by taking refuge in the fortress of the opposition - of an organised Church or dissident feudal establishment. The mere fact of conflict between authorities allowed room for a narrow and shifting, but still never entirely non-existent, no man's land, where private lives might still precariously be lived, because neither side dared to go too far for fear of too greatly strengthening the other. Today the very virtues of even the best-intentioned paternalistic State, its genuine anxiety to reduce destruction and disease and inequality, to penetrate all the neglected nooks and crannies of life which may stand in need of its justice and its bounty - its very success in those beneficent activities - have narrowed the area within which the individual may commit blunders, and curtailed his liberties in the interest (the very real interest) of his welfare or of his sanity, his health, his security, his freedom from want and fear. His area of choice has grown smaller not in the name of some opposing principle - as in the ark Ages or during the rise of nationalities - but in order to create a situation in which the very possibility of opposed principles, with all their unlimited capacity to cause mental stress and danger and destructive collisions, is eliminated in favour of a simpler and better regulated life, a robust faith in an efficiently working order, untroubled by agonising moral conflict".

Isaiah Berlin, Political Ideas in the 20th Century (1950), in: Liberty, ed. Henry Hardy, Oxford University Press, 2008, p. 91

sexta-feira, maio 06, 2016

THE SHIFT

"In western Europe this tendency has taken the milder form of a shift of emphasis away from disagreement about political principles (and from party struggles which at least in part sprang from genuine differences of outlook) towards disagreements, ultimate technical, about methods - about the best ways of achieving that degree of minimum economic or social stability without which arguments concerned with fundamental principles and the ends of life are felt to be 'abstract', 'academic' and unrelated to the urgent needs of the hour. It leads to that noticeably growing lack of interest in long-term political issues - as opposed to current day-to-day economic or social problems - on the part of the populations of the Western European continent which is occasionally deplore by shocked American and British observers, who mistakenly ascribe it to the growth of cynicism and disenchantment with ideals.
No doubt all abandonment of old values for new may appear to the surviving adherents of the former as conscienceless disregard for morality as such. If so, it is a great delusion. There is all too little disbelief, whether conscienceless or apathetic, in the new values. On the contrary, they are clung to unreasoning faith and that blind intolerance towards scepticism which springs, as often as not, from an inner bankruptcy or terror, the hope against hope that here at least is a safe haven, narrow, dark, cut off, but secure. Growing numbers of human beings are prepared to purchase this sense of security even at the cost of allowing vast tracts of life to be controlled by persons who, whether consciously or not, act systematically to narrow the horizon of human activity to manageable proportions, to train human beings into more easily combined parts - interchangeable, almost prefabricated - of a total pattern. In the face of such a strong desire to stabilise, if need be, at the lowest level - upon the floor from which you cannot fall, which cannot betray you, let you down - all the ancient political principles begin to vanish, feeble symbols of creeds no longer relevant to new realities".

Isaiah Berlin, Political Ideas in the 20th Century (1950), in: Liberty, ed. Henry Hardy, Oxford University Press, 2008, p.83

sábado, abril 09, 2016

THE CHOICES

"So Marvin and I had reached a crucial point, a juncture to which full awareness inevitably leads. It is the time when one stands before the abyss and decides how to face the pitiless existential facts of life: death, isolation, groundlessness and meaninglessness. Of course, there are no solutions. One has a choice only of certain stances: to be "resolute", or "engaged", or courageously defiant, or stoically accepting, or to relinquish rationality and, in awe and mystery, place one's trust in the providence of the Divine".

 Irvin D. Yalom, Love's Executioner and Other Tales of Psychotherapy, 1989, p.260

segunda-feira, março 28, 2016

FREE CHOICES

                                                                     Daqui.

ALGUMAS NOTAS SOBRE O TERRORISMO E O MOMENTO QUE VIVEMOS

1. Em primeiro lugar, é preciso compreender, ou melhor, aceitar, que quem reivindica os atentados é o Estado Islâmico, que quem os pratica são muçulmanos e que estes assumidamente o fazem em nome do Islão. Podemos falar de muitas razões socio-politico-culturais mas, factualmente, aquilo que resume, e abarca, todo o processo terrorista é uma defesa religiosa, radical e violenta de uma religião em particular: o Islamismo. O terrorismo a que assistimos é, portanto, terrorismo islâmico.

2. Ao contrário do que muitos possam pensar o nível de sofisticação dos atentados é extremamente baixo: os explosivos são rudimentares e frequentemente nem funcionam, os planos são básicos e pouco elaborados, os meios utilizados são reduzidos e pouco imaginativos, e as capacidades técnico-tácticas dos terroristas vão pouco mais longe da vontade básica de matar o maior número possível de pessoas inocentes para obter obter maior impacto mediático possível.

3. Os bombistas assassinos têm, regra geral, um cadastro acumulado ligado ao crime: desde assaltos, homicídios, tráfico de droga, etc., e estavam no radar das autoridades. Mesmo assim não foram impedidos.

4. Os serviços de segurança e informação dos países afectados têm constantemente evidenciado uma completa incapacidade de lidar com o problema. No caso belga, o pessoal militar que foi requisitado para defender pontos estratégicos é claramente não qualificado para essas funções específicas (é normal os militares estarem a falar ao telemóvel, a trocarem SMS ou simplesmente na galhofa uns com os outros), os serviços policiais nacionais não falam entre si (um departamento da polícia já tinha a morada onde Salah Abdeslam se escondia e a informação nunca chegou a quem de direito), os serviços de informação internacionais ainda menos o fazem e os sistemas judiciais pautam-se por um ingénuo utopismo que protege mais as alegadas boas-intenções dos potenciais terroristas do que a segurança da comunidade.

5. As declarações dos líderes políticos são de choque, repúdio e surpresa mas, atente-se, sempre com a preocupação de minimizar, ou mesmo negar, a ligação umbilical entre os atentados e a componente islâmica que lhes está na génese - e que é evidente para todos. Ao mesmo tempo, vimos altos responsáveis políticos a chorar em público que, apesar de demonstrar sensibilidade e afecto, não deixa de ser um sinal exterior de imensa fraqueza. Ou seja, há uma discrepância enorme entre aquilo que os líderes dizem e fazem e o que os eleitores esperariam que dissesse e fizessem.

6. As reacções populares são igualmente de indignação mas, contrariamente aos atentados de Paris, há muito maior enfoque social e mediático na inoperância das autoridades: na verdade, já se esperavam mais atentados, a profunda e manifesta incompetência das autoridades em impedi-los é que causou verdadeira surpresa.

7. Neste momento extremam-se as posições sobre um dos pontos basilares do consenso político pós guerra fria: o Multiculturalismo. De um lado, os ingénuos, ou aproveitadores, que negam a evidência da influência cultural e religiosa na génese da barbárie assassina a que vamos assistindo e que culpam as nossas próprias sociedades livres, abertas e plurais pelos atentados (ex.: o caso do PCP português); do outro, vemos os xenófobos que tomam a parte pelo todo e que vêem nos atentados a oportunidade para justificar a expulsão de todos os muçulmanos. Ambas as posições são ilógicas, superficialmente suportadas por não-argumentos mas baseiam-se no apelo a estímulos populares capazes de fazer granjear grandes apoios: de um lado, o apelo à fraternidade e ao humanismo global, do outro o apelo à defesa e segurança das nossas comunidades. Sendo ambas as posições profundamente superficiais e generalizantes tenderão a ser, por um lado, populares e fáceis de reproduzir e, por outro lado, ao serem absolutistas na sua simplicidade, incapazes de participar em consensos e compromissos políticos.

8. A Europa do pós-Guerra Fria assentou o seu compromisso politico e social em dois pilares fundamentais: o Estado-Social e o Multiculturalismo. O primeiro, motivado por má gestão, excessivo voluntarismo e factores de insustentabilidade social (envelhecimento) e económica (ausência de crescimento económico) encontra-se em crise profunda; o segundo, ao relativizar todas as religiões a uma espécie de igualdade prática reflectida num melting pot cultural e religioso onde minorias radicais (como a Muçulmana) são paternalmente vistas como tão ou mais legítimas do que
a base tradicional Cristã da Europa (que é recusada, vilipendiada e vista como impositiva por ser maioritária), começa agora a apresentar resultados muito preocupantes. Em nome de uma igualdade multicultural, minaram-se e atacaram-se os valores tradicionalmente europeus (e que geraram as sociedades democráticas e liberais que temos) ao mesmo tempo que se toleraram os radicalismos importados de sociedades afundadas em miséria, violência e recusa completa das liberdades europeias (ex.: a condição feminina no Islão).

9. Na ausência de acção política baseada num compromisso político socialmente abrangente duas coisas ocorrem: primeiro, os extremos tomarão a iniciativa e oferecerão "soluções" a quem anda desesperadamente à procura de uma; depois, o consenso social quebra-se e a capacidade de compromisso dissolve-se. As consequências serão imprevisíveis, mas passarão sempre por: maior instabilidade política (e, consequentemente, também económica), maior crispação social e política e maior dificuldade de gerar liderança e acção políticas.

10. A UE não tem os instrumentos institucionais, a legitimidade democrática ou circunstâncias internacionais favoráveis (ex.: crise económica, crise dos refugiados, etc.) para dar uma resposta rápida, eficaz e regeneradora a este problema. Nesse sentido cada vez mais o destino da UE se jogará a cada eleição num dos seus Estados-Membros, eleições as quais já evidenciam um aumento significativo do Eurocepticismo: em França, Le Pen; na Alemanha, a AfD; na Holanda, Geert Wilders, a título de exemplo.

11. Em suma: acrescentando à banalização do terrorismo uma crise económica mundial no horizonte, a incapacidade operacional da UE, a pressão urgente da questão dos refugiados, a instabilidade política (e ascensão da extrema-esquerda) dos países do sul, a expansão dos extremos nacionalistas, a fragilidade do Euro e dos mecanismos institucionais da UE, considerando ainda que toda e cada uma destas circunstâncias alimenta as outras, podemos estar a viver um momento de rápida deterioração da UE e prestes a entrar num período de enorme mudança e incerteza. Alguém diria em 1988 que a URSS iria desagregar-se em menos de cinco anos?


sábado, março 26, 2016

ANXIETY, NEED FOR CONTROL, PERSONAL IRRESPONSIBILITY AND REVOLUTION

"Though the word responsible may be used in variety of ways, I prefer Satre's definition: to be responsible is to "be the author of", each of us being thus the author of his or her own life design. We are free to be anything but free: we are, Sartre would say, condemned to freedom. Indeed, some philosophers claim much more: that the architecture of the human mind makes each of us even responsible for the structure of external reality, for the very form of space and time. It is here, in the idea of self-construction, where anxiety dwells: we are creatures who desire structure, and we are frightened by a concept of freedom which implies that beneath us there is nothing, sheer groundlessness.
 Every therapist knows that the crucial first step in therapy is the patient's assumption of responsibility for his or hers life predicament. As long as one believes that one's problems are caused by some force or agency outside oneself, there is no leverage in therapy. If, after all, the problem lies out there, then why should one change oneself? It is the outside world (friends, job, spouse) that must be changed - or exchanged".

Irving D. Yalom, Love's Executioner and Other Tales of Psychotherapy, Penguin Books, 1989, p. 8

sexta-feira, março 11, 2016

AGES

                                                                    Daqui.

DA INVEJA

Poucas coisas serão mais evidentes para demonstrar a pequenez invejosa lusitana do que o achincalhar parolo da figura pouco sofisticada de Cavaco Silva. Só no país em que, a quem decide fazer, pensar ou assumir algo diferente, e que o distinga dos outros, está sempre fadado o destino da maledicência, do "puxa para baixo", do "quem é que este pensa que é para se armar em melhor do que os outros" - que não fazem nada -, apenas nesse triste país carunchado pela inveja se pode olhar para um dos melhores (e raríssimos) exemplos do self made man lusitano e, sem algum dia ter sequer chegado aos seus calcanhares, olhá-lo de cima, diminuí-lo, gozá-lo, porque, coitado, "não é ninguém" ou "não se sabe comportar". Cavaco, filho de gasolineiro, estudante aprimorado em tempos em que Lisboa ficava a um dia de viagem, triunfou na academia - doutorando-se em York com uma bolsa da Gulbenkian -, e na política. Foi o político mais influente dos últimos trinta anos, recordista absoluto do voto popular português com cinco vitórias em seis eleições, quatro dessas vitórias com mais de 50% dos votos (e a derrota com 48%). Sem ele, Portugal seria outra coisa, muito provavelmente muito pior. Por isso, querer resumir tamanha personagem aos seus modos à mesa, ou à forma como se veste, não é parolo, é mesquinho: próprio dos pequeninos que, perante a grandeza, em vez de tentarem aprender - e alçarem-se a voos mais altos - apenas ridicularizam para tentarem trazer para baixo quem se atreveu a tentar ser melhor. No país dos - como já dizia o Antero - fidalgos falidos que se escorrem pelas secretarias a mendigar tachos, Cavaco não foi apenas bom: foi genial. O resto é dor de cotovelo.

SE E QUANDO

Mais um Linhas Direitas, desta feita às voltas com os presidentes: o que saiu e o que entrou. Também disponível para download no ITunes.

sábado, março 05, 2016

SCIENTISM AND HUMANITIES

Uma palestra excelente de Roger Scruton onde desmonta as incoerências supremas da pseudo-ciência que confunde meios com fins, procedimentos com significados ou descrição com compreensão: os grandes erros dos dias de hoje bem resumidos com clareza e elegância.


JAZZ HANDS

                                                                  Daqui.

sexta-feira, março 04, 2016

O SÍNDROMA DE LAMPEDUSA

Continua a ser um mistério para mim como na cabeça de tantos críticos sobre a falta de ética, moral ou respeito social de uns quantos a solução passa quase sempre por substituir esses tais malandros que se portam mal por uns outros indivíduos que, garantem-nos eles, serão o porta-estandarte da ética, o ícone máximo da moralidade e o exemplo do respeito pela justiça social. Não compreenderão eles que tanto uns como outros não são outra coisa além de homens e que, como tal, nada mais fazem além de ser homens? A virtude não está em acusar os defeitos dos outros mas, pelo contrário, em desconfiar das virtudes de todos - incluindo de nós próprios. No entanto, é precisamente de infalíveis Torquemadas de vão de escada que se fazem os nosso dias: e no meio de tanta acusação justíssima, estranhamente, nunca lhes ocorre que limitar a injustiça dos homens passe muito mais por limitar o controle de uns sobre os outros ao invés de submeter uns e outros, cada vez mais, às sucessivas virtuosas interpretações sobre o que é a moral, a ética e a justiça . Talvez porque no fundo, bem lá no fundo, não seja bem a Justiça que os move mas apenas a substituição daqueles de quem não gostam por outros de que gostam mais - quiçá por eles próprios. No final, fica tudo na mesma.

DA INFANTILIZAÇÃO

É preciso desiludirmo-nos para aprendermos a lição mais importante da vida: que as coisas, nomeadamente os sonhos, não são, nem correm, sempre como nós quereríamos que fossem, ou corressem. Faz parte do processo de crescimento a percepção - que toma a forma de uma desilusão, sempre, uma desilusão - de que ter sol na eira e chuva no nabal é uma quimera e, como tal, algo impossível de obter. Apenas num mundo repleto de crianças explicar que o ideal não existe, que o óptimo é inimigo do bom e que este, já agora, é apenas, com sorte, amigo do possível, apenas num mundo onde este conhecimento - que deveria configurar o mais básico senso comum - está ausente do pensamento público, apenas aqui o mero acto de dizer o evidente se transforma num acto de sedição revolucionária. Mas, não nos iludamos, os revolucionários são os utópicos: revolucionários não contra aqueles que apenas se limitam a dizer que o rei vai nu mas, sim, revolucionários birrentos contra o mundo e contra a forma como as coisas são. Não espanta pois que os mais afoitos, e que mais enchem a boca com a miséria dos outros, são precisamente aqueles a quem nunca faltou nada a não ser, lá está, a desilusão. Ficaram crianças que, no seu mimo, no seu infantil egoísmo, acham legítimo impor as suas impetuosas e irreflectidas vontades, seja a bem, seja a mal, a todos os outros. No final sobrará, como sempre, a enorme desilusão, restando apenas a dúvida sobre o preço que ela custará - quer aos que se desiludem, quer aos que morrem a tentar derrotar os demónios que imaginam a cada canto, quer àqueles que - os mesmos de sempre - no final acabam a pagar a conta da brincadeira: o pagode.

quarta-feira, fevereiro 24, 2016

O VÍCIO SOCIALISTA

A propósito de uma imberbe possibilidade de colaboração com alguns colegas de outras áreas num projecto de investigação andei a ler umas coisas sobre a adição (no sentido anglófilo "addiction"). Em bom português, o vício: a forma como se apresenta, impõe e as condições onde, eventualmente, se consegue ultrapassá-lo. Na prática, o vício aparece como algo que se revela de uma forma tão forte no presente que o indivíduo, preso ao desejo momentâneo, perde a capacidade de prezar os seus próprios objectivos de longo prazo em nome dessa gratificação imediata. Assim, não será de estranhar que indivíduos que não estejam clara e fortemente comprometidos com objectivos, ou perspectivas, de longo prazo (família, sucesso profissional, alguma meta longínqua, etc.) sejam mais permeáveis a ceder ao presente: é onde o futuro não se vislumbra que o imediato se assume como uma opção mais forte, e por isso mais apetecível. Naturalmente - porque é a área que me ocupa -, algumas possibilidades como este mecanismo do vício pode ser traduzido para o campo da comunidade saltaram-me logo à mente. Por um lado, a forma como a sociedade actual onde o Estado vai progressivamente usurpando o papel anteriormente consignado à família vai nublar um dos horizontes fundamentais para impermeabilizar indivíduos mais em risco face à adição: que objectivo maior poderá haver que nos force a recusar o imediato em nome do longo termo além da responsabilidade que temos para com as nossas famílias - quer aqueles que apenas gostam de nós, quer aqueles que dependem de nós? Depois, naturalmente, ocorreu-me como o crescente papel do Estado na vida das pessoas pode legitimar-se ele próprio perante os indivíduos através de um mecanismo de adição: desde o paternalismo que promete o conforto e o alívio imediato de um problema através de uma solução legislativa até à forma como todo o discurso político se foca "nos problemas concretos dos cidadãos", ou meramente em chavões que representam programas populares - e por isso aliciantes -, mas sempre se deixa de fora a necessidade de apresentar estratégias de longo prazo credíveis, em tudo isto se manifesta o mecanismo do vício. E assim se encontra uma explicação para a facilidade com que alguns se deslumbram pelos cantos das sereias que vendem mundos perfeitos, mesmo que ainda há bem pouco tempo essas mesmas sereias os tenham deixado na mais perfeita bancarrota - ou seja numa ressaca completa. É o vício, camaradas, é o vício que os alimenta. E, como qualquer dealer numa esquina obscura, é assim que encontramos os pressurosos socialistas, perante os "clientes" bem agarrados, já nem se dando ao trabalho de mentir, disfarçar ou dourar as consequências negativas do seu produto para a felicidade a longo prazo do seu cliente. Não. É com o desprezo dos traficantes que os senhores que nos governam destilam ódio, fazem o contrário do que apregoam e, sentindo-se acima de todos, sem pudor, saqueiam a seu belo prazer as oportunidades que se lhes apresentam. É a impunidade de quem não sente que se tenha de justificar: isto porque, afinal, que mais pode um agarrado fazer além de comer e calar?

SECRET ESCAPING

                                                                       Daqui.

terça-feira, fevereiro 23, 2016

U Turn

O Linhas Direitas está de regresso. Neste episódio #13, eu o Afonso Vaz Pinto e o Pedro Telles lamentamos a desgraça que é a geringonça governamental, o estado e futuro mais próximo da direita em Portugal e, ainda, a eventual criação de um partido liberal em Portugal. Também disponível no ITunes.

segunda-feira, fevereiro 22, 2016

ALGUMAS NOTAS TEÓRICAS SOBRE A QUESTÃO LIBERAL PORTUGUESA

Tem havido nos círculos liberais um interessante debate a propósito da hipotética criação de um Partido Liberal (PL) em Portugal. Se, por um lado, a capacidade de afirmação do ideário liberal é, do meu ponto de vista, fundamental para retirar Portugal do ciclo vicioso socialista, e socializante, em que se vai afundando, por outro lado, tenho sérias dúvidas que a criação de um PL seja o melhor caminho para o fazer. As razões que me assistem nessa dúvida são primeiro teóricas e depois práticas.

No que concerne às razões teóricas preocupa-me sobremaneira uma divisão ontológica que separa liberais de uma forma fundamental, profunda e, quiçá, inconciliável, o que poderá condenar o movimento por um PL a um eterno debate autofágico, sem resolução e, consequentemente, todo o movimento ao falhanço. Como vejo a perspectiva liberal como a via para a prosperidade nacional, um falhanço estrondoso, com repercussões mediáticas, de um projecto partidário liberal pode acabar por fazer mais mal que bem à causa maior que lhe é anterior: libertar Portugal das amarras do socialismo.

A divisão ontológica, na verdade, parece-me, deriva de uma divisão que separa os indivíduos - todos, não apenas os liberais - em duas atitudes fundamentalmente diferentes perante a vida: a primeira é fundamentalmente optimista e a segunda, por oposição, assenta num pessimismo antropológico. Os primeiros crêem que os problemas da comunidade política podem ter uma resolução, uma resolução concreta que é a melhor, a mais adequada e aquela que de forma optimizada pode criar harmonia, ou pelo menos justiça, entre os homens. Essa resolução é, portanto, uma espécie de solução, em muitos casos revolucionária. E uma solução apresenta um conjunto de preceitos finalísticos, de um certo modo estáticos, que, imagina-se, ao serem aplicados levariam a uma sociedade idealizada, senão perfeita pelo menos a mais perfeita, ou justa, que se poderia obter. É o resultado final da acção liberal que imaginam: uma sociedade revolucionada, fiel e totalmente derivada dos princípios que acreditam serem os melhores.

Esta visão optimista alicerça - normal mas não exclusivamente - o seu ideário e argumentário, que muitos desejam traduzido em acção revolucionária, na razão. É através da lógica e do racionalismo que justificam os preceitos que gostariam de poder implementar e as razões pelas quais ao serem implementados seriam bem sucedidos. Do mesmo modo, através da causalidade demonstram como uma sociedade pode atingir o resultado final desde o seu momento fundador: todo o processo é lógico, calculável e o resultado final será atingido se os preceitos racionais que teorizam forem postos em prática de forma correcta. A esta posição racionalista não apelido de 'optimismo liberal' porque o epíteto 'optimismo' pode - e deve - ser recusado no que concerne aos liberais uma vez que muitos dos liberais deste tipo assentam também o seu argumentário de recusa do colectivo ou do Estado na natureza imperfeita e, imperfeiçoável, do Homem. No entanto, se por um lado é verdade que o racionalismo voluntarista antropológico deriva maioritariamente em soluções socialistas, não deixa também de ser verdade que os liberais deste tipo, mesmo que em nome da natureza imperfeita do Homem (um argumento pessimista), não deixam de apresentar soluções racionalistas e perfeccionistas. Para que não haja confusões, para efeitos desta distinção, estes dois últimos adjectivos parecem-me apropriados.

Este perfeccionismo racionalista encontra adeptos famosos à esquerda, naturalmente - e aí incluo o liberalismo igualitário Rawlsiano -, mas também em toda uma gama de adeptos do libertarianismo ou anarco-capitalismo que, apesar de advogarem o oposto do igualitarismo socialista, não deixam de utilizar argumentos do mesmo tipo: um plano revolucionário racional que se argumenta ser o melhor, ou mais justo, para o individuo - e, derivado deste, para a comunidade - mesmo que esse plano racional seja a recusa racional de toda e qualquer espécie de plano.

Do outro lado, temos os pessimistas antropológicos. Ora, esta perspectiva também não acredita no aperfeiçoamento da natureza humana mas, ao contrário dos racionalistas e perfeccionistas, também recusam que haja soluções perfeitas, ou que haja sequer formas particularmente bem sucedidas de alterar o comportamento normal dos indivíduos em comunidade: onde os primeiros advogam certezas, estes apenas encontram dúvidas. Para o pessimista antropológico, o carácter imperfeito da natureza humana implica o carácter imperfeito da comunidade política. Fica, desde logo, de parte a possibilidade de crer-se numa solução teórica óptima, ou a melhor possível, para os problemas da comunidade. Assim, tanto se recusa o voluntarismo do socialista utópico e bem intencionado como o mesmo voluntarismo utópico e bem intencionado do libertário. O resultado de uma acção liberal é, por definição, desconhecido: implica lidar com inúmeros factores imprevisíveis, com aliados e adversários inesperados e com circunstâncias incontroláveis na totalidade. Aliás, é precisamente por estas razões que desconfia do Estado e não o vê, por regra, como a melhor forma de organização social. No entanto, e fundamentalmente é isto que o separa do perfeccionista liberal, ao pessimista que não crê em soluções óptimas o resultado óptimo da sua acção está-lhe escondido.  E é precisamente este desconhecimento - a incapacidade de saber o resultado final do próprio processo liberal - que o define: enquanto que os racionalistas liberais apresentam um argumentário racional que demonstra o estado final e ideal de uma sociedade liberal, a este segundo tipo de liberal, na ausência do resultado final, sobra-lhe o ponto de partida e o processo. Do primeiro, retira aprendizagem; do segundo, retira a acção que, naturalmente, nunca será revolucionária porque esta implicaria a criação de algo que não se conhece, de consequências imprevisíveis e, eventualmente, irresponsáveis.

E o que norteia o processo? Enquanto que aos racionalistas é o mecanismo lógico, frio, causal da razão do ponto A (onde estamos) para o ponto B (o resultado final), os liberais pessimistas, sem ponto B, socorrem-se dos valores liberais que entendem que devem ser paulatinamente postos em prática, da melhor forma que seja possível, a todo e qualquer momento, e que lhes permita avançar do ponto A para um ponto indefinido no futuro que, desejam eles, seja um ponto mais liberal, porque melhor, mas sempre desconhecido e indemonstrável de forma infalível a priori. Não deixam de ser racionais na abordagem, mas na ausência de um plano total racional, sobra uma prática que entendem como razoável e que é norteada por um código de conduta (um conjunto de valores permanentes) ao invés de um plano finalístico, perfeccionista e absoluto.

A este segundo tipo de liberais que recusam planos perfeccionistas, que recusam o racionalismo absoluto e que advogam um conjunto de valores liberais que vão aplicando, de forma diferente consoante as circunstâncias, eu chamo conservadorismo liberal. Isto porque é uma postura de desconfiança (inclusive de si próprios), de prudência (não pode haver liberdade sem responsabilidade) e verdadeiramente liberal porque se recusa a aplicação total de um determinado modelo racional que limite a acção dos indivíduos a uma determinada leitura da realidade, tudo em nome de um modelo abstracto, teórico e imutável. A nota importante aqui é que um liberal deste tipo é conservador apenas neste sentido ontológico, não tem que o ser (apesar de também o poder ser, são variáveis independentes desde que não impostas pelo Estado) no sentido prático que damos ao termo, o conservador nos costumes. Uma coisa nada tem a ver com a outra.

Não será difícil de ver nas minhas palavras que eu partilho da segunda possibilidade. Acho-a preferível à primeira porque encontro no perfeccionismo liberal todos os problemas, e vícios, que vejo nas soluções perfeitas da esquerda: o voluntarismo teórico, a ingenuidade quanto à natureza humana, a abstracção da realidade da vida, o perfeccionismo impossível e a crença na salvação humana através da razão. Em suma: para mim, um verdadeiro liberal não pode ser escravo de nada, nem mesmo da razão, porque não a vê como infalível, muito pelo contrário.

Aquilo que divide estes dois tipos de liberais é tão profundo como aquilo que separa os socialistas dos liberais. É precisamente por essa razão que não acredito na practicabilidade, pelo menos nos moldes actuais, de um PL. Isto porque os liberais conservadores têm uma capacidade de compromisso, nomeadamente com os partidos da direita democrática portuguesa, que os liberais perfeccionistas não têm: os conservadores podemos vê-los inclusive (como é o meu caso) integrados, mesmo que em minoria, afastados, ou apenas como votantes, no PSD ou no CDS; já os liberais perfeccionistas, normalmente mais radicais, tendem a excluir toda a direita democrática como socialista, incluindo nesse "socialismo" os liberais conservadores que acima descrevi.

Considerando tudo isto, parece-me, os perfeccionistas terão maior entusiasmo por um PL. E se assim for esse partido será tendencialmente mais revolucionário - o que significa que será tendencialmente libertário, eventualmente anarco-capitalista - e, por essa razão, menos capaz de ser apelativo eleitoralmente e, também, menos capaz de gerar consensos internos porque existe uma elevada probabilidade de enredar-se num debate infindável sobre o grau purista da verdadeira solução liberal, ou no que consiste o verdadeiro liberalismo. E tal como à esquerda, quanto mais radicais são as posições menos se consegue vislumbrar o entendimento: da mesma forma como, em última análise a "união" das esquerdas gera um conflito irresolúvel e uma multidão de grupos e grupinhos de dimensão progressivamente mais reduzida, também o liberalismo radical encontrará o mesmo destino: apenas os perfeccionistas se preocupam em definir o que é a verdade - e todos acreditam tê-la encontrado, apenas para reconhecer que aquilo que uns encontram é fundamentalmente diferente do que os outros já encontraram.

Naturalmente as nuances serão muitas. Definir com exactidão o liberalismo e as diversas formas que este pode tomar é tarefa muito mais abrangente do que um artigo deste tipo pode fazer. Da mesma forma, serão com certeza muitas as excepções a esta dicotomia. Mas estou convencido que o perfeccionismo racionalista militante impedirá uma coligação com o liberalismo conservador, quer com aqueles que votam e participam nos partidos da direita portuguesa, quer com aqueles que não têm partido em que votar: com os primeiros a aliança falhará porque partidos como o PSD e o CDS, mesmo que com muitíssimas dificuldades, acabam por ser mais permeáveis ao liberalismo conservador que aqui descrevi do que os próprios libertários mais puristas; com os segundos a aliança falhará porque nunca conseguirão concordar no método ou em linhas programáticas partilhadas na coerência que um partido político implica.

O que fazer então? Em primeiro lugar, perceber que a questão não pode ser apenas se se deve formar um PL ou não: se alguém quiser formar um partido, e tiver condições práticas para o fazer, acabará por fazê-lo. Logo, de nada serve afirmar que não se deve fazer um partido: nenhum liberal se pode considerar dono do "movimento" liberal. A mim, enquanto indivíduo, resta-me decidir militar ou não militar, eventualmente votar ou nem sequer votar em todo e qualquer partido, isto dependente de advogar um programa com o qual eu concorde, ou aceite como preferível ou, em oposição, que rejeite como uma alternativa eleitoral não credível.

Por tudo isto, para mim, a questão essencial será muito mais como avançar a causa liberal em Portugal. E aqui parece-me que um partido (que exclui formalmente os liberais já militantes de outros partidos e, por essa razão, para ser bem sucedido deveria ter a capacidade de os atrair para as suas fileiras) poderá ser um objectivo para alguns, mas apenas a prazo e apenas em determinadas circunstâncias. A causa liberal ficaria muito mais bem servida por uma plataforma liberal que congregue massa crítica académica e partidária e que tenha a capacidade de gerar o debate, fazer propostas políticas, linhas programáticas e, inclusive, participar em eventuais coligações políticas com o PSD e\ou o CDS. Dessa forma pode influenciar-se os partidos já existentes ao mesmo tempo que se avança na solidificação de uma linha programática liberalizante que contribua de forma activa para a difusão dos princípios liberais na academia, nos media e, principalmente, na sociedade. Se essa plataforma se transformará em partido no futuro, seja ele breve ou longínquo, isso já será uma questão que, imagino, nem o mais perfeito perfeccionista saberá responder.

sexta-feira, fevereiro 12, 2016

PUBLIC BENEFIT

"Among the innumerable monuments of architecture constructed by the Romans ,how many have escaped the notice of history. how few have resisted the ravages of time and barbarism! And yet even the majestic ruins that are still scattered over Italy and the provinces would be sufficient to prove that those countries were once the seat of a polite and powerful empire. Their greatness alone, or their beauty, might deserve our attention; but they are rendered more interesting by two important circumstances, which connect the agreeable history of the arts with the more useful history of human manners. Many of those works were erected at private expense, and almost all were intended for public benefit".

Edward Gibbon, The Decline and Fall of the Roman Empire (1788)

[Wordsworth Classics of World Literature, 1998, Ch 2, p. 37]

segunda-feira, fevereiro 01, 2016

AGENTS OF HISTORY

"Their view; it is cosmic. Not a man here, a child there, but an abstraction: race, land. Volk. Land. Blut. Ehre. Not of honourable men but of Ehre itself, honour; the abstract is real, the actual is invisible to them. Die Gute, but not good men, this good man. It is their sense of space and time. They see through the here, the now, into the vast black deep beyond, the unchanging. And that is fatal to life. Because eventually there will be no life; there was once only the dust particles in space, the hot hydrogen gases, nothing more, and it will come again. This is an interval, ein Augenblick. The cosmic process is hurrying on, crushing life back into the granite and methane; the wheel turns for all life. It is all temporary. And these - these madmen - respond to the granite, the dust, the longing of the inanimate; they want to aid Natur.
And, he thought, I know why. They want to be the agents, not the victims of history. They identify with God's power and believe they are godlike. That is their basic madness. They are overcome by some archetype; their egos have expanded psychotically so that they cannot tell where they begin and the godhead leaves off. It is not hubris, not pride; it is inflation of the ego to its ultimate - confusion between him who worships and that which is worshipped. Man has not eaten God; God has eaten man.
What they do not comprehend is man's helplessness. I am weak, small, of no consequence to the universe. It does not notice me; I live on unseen. But why is that bad? Isn't it better that way? Whom the gods notice they destroy. Be small... and you will escape the jealousy of the great".

Philip K. Dick, The Man in the High Castle (1962)

[in: Philip K. Dick, The Man in the High Castle, Penguin Classics, 2001, pp. 45-6]

terça-feira, janeiro 19, 2016

CONTROL FREAKING E SOCIALISMO

A necessidade de controlo representa duas coisas: por um lado, um abdicar face ao medo, por outro um isolamento face ao mundo. Uma abdicação, porque representa a ilusão de transcendência face às potenciais adversidades: criando a ilusão de que se está no controlo, alimenta-se a utopia de que nada de mal nos vai acontecer. Lá está: o medo - em última instância da morte. Representa também um isolamento porque querermos controlar o que nos acontece implica termos que eliminar as possibilidades de imprevistos ocorrerem: e apenas retirando o mundo, e os outros, das nossas vidas (ou, pelo menos, de onde nos possam magoar) as conseguimos controlar. Apenas reduzindo as vidas a nós próprios as podemos dominar em absoluto. Naturalmente, o esforço é inglório: nem o mundo se reduz a nós próprios, nem se pode tirar satisfação de uma vida onde as ocorrências são decididas unicamente por nós próprios: é a solidão. No entanto, é dessa isolada insatisfação que se alimenta ainda mais a necessidade de maior controlo porque, precisamente, a razão inicial que levou a tudo se querer controlar foi a recusa da infelicidade, infelicidade essa que a crescente insatisfação alimenta cada vez mais. E assim, inadvertidamente, cria-se um ciclo vicioso do qual é difícil sair: quanto mais se aperfeiçoa o controlo, maior é a insatisfação - o perfeccionismo controlador deriva num processo degenerador de isolamento, insatisfação permanente e, não havendo mais ninguém para culpar, de ódio-próprio. A infelicidade é, pois, o preço que se paga pela transitória - e falsa - sensação de segurança que o controlo oferece. Nas comunidades ocorre o mesmo fenómeno. Quando a doença mental que é o controlo do mundo passa do indivíduo para a comunidade, o esforço colectivo é tão inglório quanto o individual: onde no processo individual o indivíduo perde a felicidade pela ilusão de controlo - segurança, no processo colectivo a comunidade perde a liberdade e, consequentemente, a par da possibilidade de cada indivíduo existir por si próprio, desaparece também a capacidade da comunidade gerar prosperidade (o maior garante de paz e segurança). Claro está que numa comunidade maioritariamente composta por pessoas genericamente isoladas - ignorantes face ao mundo, e profundamente influenciada por doentes do controlo, essa perda de liberdade em nome de uma segurança utópica será celebrada como o caminho da felicidade: o grande aliado do socialismo das sociedades pós-modernas é o crescente isolamento dos homens face ao mundo - e a sua arma é a oferta ilusória da salvação.

terça-feira, janeiro 05, 2016

ALGUÉM VIU POR AÍ O PROFESSOR MARCELO?

Pelo que me vai chegando - e por mais que evite acaba mesmo por chegar - o Professor Marcelo encarna na perfeição, julgo que de forma deliberada, o espírito destes nossos tristes dias vazios: não se compromete, nada afirma que lhe possa custar um votinho que seja, apenas tenta passar pela chuva sem se molhar e, por essa razão - e apenas por ela - aspira legitimamente ao mais alto cargo da república. Fica, naturalmente, a lição que o professor exemplarmente nos ensina: nos dias de hoje, fala mas não digas nada, pensa mas não contes a ninguém, age mas despercebidamente. Que nem uma enguia, com o sorriso aberto, mostra-se amigo de todos, fiel a todos - que é como quem diz que não é amigo de ninguém, muito menos fiel, a alguém além dele próprio. Se algum eleitor mais incauto ainda achava que o comentador eleitoral traria alguma coisa para este país no seu primeiro mandato que se desengane: na busca da reeleição a sua estratégia no cargo de PR será a mesma: não fazer nada, não mexer, não ofender - mesmo que isso signifique afundar o país nos braços delirantes do Dr. Costa e da extrema-esquerda. Ora, se o Sr. Professor não se digna a representar-me no seu primeiro mandato pode muito bem ficar com a certeza que não leva o meu voto na primeira volta. Isso é garantido. E se por algum milagre do destino o seu adversário na segunda volta for o Henrique Neto, olha, é como diz o outro: azarito. Para vazio já bastava o Dr. Costa e as suas "torrentes" de asneiras.

ZOMBIES AND MODERNITY (AND MICHAEL JACKSON)

"Apart from zombie films, only pornography repeats the same plot, requires no acting skills, and is watched obsessively by a mass audience. The story is irrelevant, the dialogue pointless. The fascination lies in the image, not in the characters or a narrative arc. The act holds viewers’ attention, and continues to fascinate when one actor after another performs it. (...) The closest thing to an actual zombie among prominent Americans was, of course, Michael Jackson, whose face began to fall off after too many surgeries. Jackson’s 1983 zombie video, “Thriller,” gave us the defining image of late 20th-century America: Peter Pan as zombie, the perpetual youth as a walking corpse. (...) More than any figure of popular culture in the past century, Jackson embodied the burning desire of his generation never to grow up. Oscar Wilde’s Dorian Gray had a portrait that revealed his inner decay. Michael Jackson had a nose, which narrowed, shrank, shriveled, and finally fell in, perfectly reflecting the spirit of the times. In his self-disfigurement and ultimate self-destruction, this fey child-man fought and died in the service of the mad fantasy of eternal youth.(...)We define our life by how we view our eventual death. In the Christian past, life on earth was for most people a preparation for the eternal life promised by religion. In today’s America we strive instead to perpetuate life in our own skins. (...)No wonder so many American women have come to abhor their bodies. According to the National Eating Disorders Association, anorexia and bulimia threaten the lives of ten million American women.Psychology Today reports that these disorders “afflict 40% of women at some time in their college career.” More than a third of American women are obese. We live among hordes of female zombies—anorexic zombies on Manhattan’s Upper East Side, morbidly obese zombies in Des Moines, cosmetic-surgery zombies in Southern California, and Prozac-dependent zombies coast-to-coast. The sexual revolution has transformed a frightening number of American women into the walking dead, victims of a failed social experiment. We know that the object of our narcissism will look a little worse in the mirror each day no matter how much Botox we inject. The older we get, the harder we strive to stay young, and the less convincing we find our efforts. The aging metrosexual on his way out of the plastic surgeon’s knows that he is one day closer to joining the discarded elderly, subject to the same contempt with which he regards the last generation.(...)How quaint, how superstitious these ancient notions of eternal life seem to the secular modern world, and how strange and primitive the rituals that sustained the Psalmist’s conviction that God would not abandon his servants to the grave. Modernity tells that nothing in the universe cares whether we exist or not. Where the meaning of our lives is concerned, all of us are on our own. We are enthralled by the same images, but in reverse: the walking dead in place of the dead awaiting resurrection, decaying corpses instead of wholesome priests and uncorrupted saints, the zombie herd instead of the happy pilgrimage of God’s people to the holy courts of the Temple".
           David P. Goldman, no Asia Times

segunda-feira, janeiro 04, 2016

SKILL AND PRACTICE

"And yet so sensible were the Romans of the imperfection of valour without skill and practice, that, in their language, the name of an army was borrowed from the word which signified exercise".

Edward Gibbon, The Decline and Fall of the Roman Empire (1788)

[Wordsworth Classics of World Literature, Ch 1, p. 16]